Blog Lume

Quais os pilares de rankeamento do Google?

SEO é a sigla utilizada para Search Engine Optimization. É uma técnica onde diversas ações são implementadas para que uma página tenha um bom posicionamento nos resultados do Google por meio do tráfego orgânico. Essas ações são divididas em pilares que, juntos, formam um projeto de SEO. 

Todos os dias, milhares de conteúdos são publicados na internet, gerando uma concorrência gigantesca e uma disputa pelas melhores posições no topo das buscas. Mas, você sabe qual o parâmetro ou quais são as “regras” utilizadas para que algumas páginas tenham maior vantagem em relação a outras?

Esse conjunto de técnicas e ações que mencionamos acima é dividido em três pilares de SEO, que norteiam um projeto e ajudam a identificar quais pontos devem ser priorizados para melhorar o posicionamento no ranking de resultados dos buscadores.

Ficou curioso(a)? Continue acompanhando esse artigo e entenda que pilares são esses, o que inclui cada um e como eles funcionam perante um buscador.

Quais são os três pilares de SEO?

Originalmente, os pilares de SEO foram amplamente conhecidos a partir de uma pesquisa divulgada pela Moz em 2015, a Search Engine Ranking Factors. Na época, foram convidados mais de 150 profissionais de SEO para responderem, com base nas suas experiências, quais fatores consideravam mais relevantes e com maior impacto para o algoritmo do Google e, consequentemente, no seu ranking de resultados.

A partir do resultado desse estudo, surgiram três grandes pilares e que hoje guiam não só os projetos que tocamos com os nossos clientes, mas o mercado de SEO como um todo.

Imagem com o fundo azul escuro com os dizeres "Quais são os três pilares de SEO" como título. Abaixo, cada pilar está dentro de um círculo branco. São três "Tecnologia, Conteúdo e Reputação".

Cada um desses pilares têm uma relevância diferente dentro de uma estratégia de SEO e é exatamente sobre isso que vamos falar a seguir. 

Tecnologia

Chamado muitas vezes de “SEO on page”, o pilar de Tecnologia é quem dita qual é a qualidade da estrutura de um site e como isso pode melhorar a experiência do usuário ao acessar determinadas páginas e conteúdos.

Como sabemos, o Google tem valorizado cada vez mais a experiência do usuário dentro de uma página. Recentemente, com as Core Web Vitals, isso ficou ainda mais em evidência. Por isso, é essencial focar na melhor performance possível do seu site.

E aqui estamos falando de pontos como: facilidade de uso, boa navegação, layout otimizado, funcionamento adequado tanto para usuários que acessam via mobile como desktop, velocidade de carregamento de uma página, entre outros aspectos. 

Num geral, é essencial que um bom site ofereça ao usuário uma navegação simples e intuitiva e que responda rapidamente aos comandos, sem travamentos ou demora no carregamento de imagens, vídeos ou conteúdos em geral.

Imagem com o fundo azul marinho com o título "Confira, abaixo, alguns pontos principais que determinam a qualidade da estrutura de um site". Abaixo do título estão listados, em um box branco, os seguintes tópicos: "layout agradável, intuitivo e adequado para diversos dispositivos, principalmente smartphones", "navegação simples (tanto para mobile quanto para desktop", "robots", "sitemap", "carregamento rápido de páginas", "URLs curtas e precisas", "plataforma otimizada para diferentes públicos", "headings", "canonical", "servidor de qualidade" e "links internos".

Esses são alguns elementos primordiais que um portal precisa ter como primeiro ponto positivo na análise de SEO. Isso acontece porque o robô do mecanismo de busca do Google realizará essa “varredura” em toda a web, excluindo, assim, aqueles portais que possuem baixo nível de segurança, estrutura ruim ou que possam dificultar a experiência do usuário.

Assim, é preciso estar atento a essas questões iniciais e trabalhar para que elas sejam solucionadas como a primeira parte de todo o projeto de SEO.

Como mencionamos acima, há pouco mais de um ano o Google divulgou as Core Web Vitals, métricas para avaliar aspectos específicos de uma página, que são:

  • Tempo de renderização do conteúdo na tela
  • Tempo de disponibilidade até as principais ações
  • Estabilidade visual do layout

Acompanhá-las é essencial para nortear o seu site e colocá-lo dentro dos parâmetros de qualidade de navegação estipulados pelo Google. Muitas ferramentas de análise utilizadas por profissionais de SEO já conseguem fazer esse mapeamento e trazer insights sobre as Core Web Vitals. Use essas métricas a seu favor!

Conteúdo

O pilar de Conteúdo, em geral, é considerado o mais importante e o mais denso entre todos. É claro que isso depende de cada projeto (vamos falar mais sobre isso abaixo), mas geralmente é o que traz mais resultados dentro de uma estratégia. 

O conteúdo é uma das métricas que merece maior atenção para a obtenção de um bom desempenho dentro de um projeto de SEO.

Assim, é muito importante pensar em conteúdos sólidos e bem estruturados. Outro ponto interessante é que quando falamos em conteúdo, a maioria dos profissionais que trabalham em e-commerce logo imaginam um blog. Mas o conteúdo é muito mais do que isso e pode ser apresentado em vários formatos: uma landing page de datas comemorativas, conteúdos de produtos ou de categorias que tragam a identidade da marca, páginas de avaliação de produtos, vídeos, tutoriais, entre outros. 

Por isso, o legal é aproveitar esse pilar para trazer a linguagem da marca e conversar com o usuário. E tudo isso exige um trabalho de pesquisa para chegar nas palavras-chave que o seu público alvo usa, nas intenções de busca e no comportamento do seu consumidor, por exemplo. 

A partir desse estudo, o céu é o limite: produza conteúdos que tirem dúvidas do seu consumidor, ensine ele a usar um produto, explique para quê serve um serviço ou quais resultados ele pode trazer, entre várias outras possibilidades.

É claro que tudo isso precisa estar alinhado ao propósito do seu modelo de negócio.

Imagem em azul marinho com o título "O que o google avalia no pilar conteúdo". Abaixo, estão listados os tópicos dentro de um box branco e com letra azul marinho. "Conteúdo original, de qualidade e relevante: que resolva o problema ou a dúvida de quem pesquisa", "material informativo, atrativo e que aumente o tempo do usuário na página", "que demonstre o correto uso das palavras-chave conforme a temática abordada", "que tenha uma boa estrutura, títulos e CTAs interessantes e otimizados".

Como mencionamos acima, os conteúdos podem ter diferentes formatos

  • Fotos
  • Arquivos de mídia
  • Podcast
  • Infográficos
  • Postagens
  • Vídeos

Reputação

O último pilar é o de Reputação, que ocupa o último lugar na pirâmide dos parâmetros de SEO, chamada também de “SEO off page”.

É ela que demonstra qual a popularidade, força e presença de um site conforme a quantidade de links externos direcionados ao seu conteúdo. Ou seja, quanto mais o seu site, sua página e o seu conteúdo forem mencionados por outros sites, melhor. Geralmente, esse trabalho é feito com o auxílio de uma assessoria de imprensa.

Ele é considerado por muitos como uma das etapas mais complexas e que mais exige atenção, o que pode variar de acordo com a marca ou cliente em questão. 

Por exemplo: clientes de grande porte ou que são mais conhecidos e famosos no mercado, naturalmente irão possuir uma reputação automática em relação aos demais, com maior número de citações em outros portais.

Já para empresas menores ou que estão começando, é preciso criar uma boa estratégia para angariar essas referências e, assim, demonstrar ao Google a sua importância. Para isso, um conteúdo interessante e inovador pode ser um diferencial.

Essa, inclusive, é a ação mais comum: produção de conteúdos com propriedade, o que levará aos demais sites referenciá-lo como uma autoridade no assunto de forma natural.

Mas também é possível fazer os famosos “guest post”, onde parcerias são firmadas com outros portais e, assim, a troca de conteúdo e de links referenciais realizados.

Aqui é interessante destacar que esse conteúdo não trata-se apenas de um blog post, mas podem ser também: infográficos, conteúdos compartilháveis, tabelas, pesquisas, e-books, entre outros materiais.

Outro ponto bem importante é compreender que, diferentemente de Conteúdo e Tecnologia, esse é um pilar que não depende “apenas” do cliente e do seu esforço interno, mas sim do interesse externo de outras páginas para mencionar a marca. E criar essa relevância, geralmente, leva um tempo.

Dependência X Impacto

Os três processos são cíclicos e possuem níveis de dependência variáveis entre si, conforme o gráfico abaixo, que utilizamos internamente aqui na Lume:

Gráfico que mostra a dependência de um pilar de SEO dentro de um estratégia em comparação com o impacto nos resultados que esse pilar traz.

Em resumo, podemos dizer que:

  • Tecnologia: os pilares de Conteúdo e Reputação têm uma dependência muito grande de Tecnologia por estarmos tratando de um robô e de algoritmos. Nesse caso, a estrutura técnica pode ajudar ou impedir que o robô encontre e compreenda corretamente o conteúdo de um site e a reputação passada pelos links.
  • Conteúdo: é o pilar central porque é assim que entregamos respostas relevantes para as necessidades dos usuários, além de ser o pilar em que temos o maior poder de controle (falamos mais sobre isso abaixo).
  • Reputação: é consequência de um bom conteúdo e também onde temos o menor poder de controle. Essa referência que sites externos passam, por meio de links e de maneira imparcial e contextualizada, é um fator de alto impacto nos resultados.

Ciclo sem fim..

Mesmo que sejam separados em três pilares diferentes, ambos estão coligados e precisam estar alinhados para o correto funcionamento do SEO.

Isso porque não adianta produzir ótimos conteúdos se a estrutura do seu site não entrega uma boa experiência para o usuário ou se a performance da página não for adequada.

Imagem em azul marinho com o título "para obter bons resultados na busca do Google e ganhar mais destaque, o ideal é preencher todos os pré-requisitos citados anteriormente, dentro dos três pilares:" e, em círculos brancos, contamos com três pequenos textos. 

Tecnologia de ponta e boa acessibilidade. 

Destacar-se com um conteúdo inovador e fora da curva.

Possuir uma autoridade de renome da marca ou empresa.

Uma variável chamada “controle”

No mercado há oito anos, tivemos alguns aprendizados ao longo dos projetos conduzidos com os nossos clientes. Com isso, identificamos uma variável que atua nos três pilares, e nomeamos ela de “controle”.

Isso porque em cada um dos pilares temos uma porcentagem de controle em relação aos resultados que podem ser obtidos. 

Por exemplo: a Reputação tem um grande impacto no resultado de um projeto, mas temos um controle muito pequeno sobre esse pilar, dependendo muito de ações externas. 

O que podemos fazer é estimular e divulgar bons conteúdos, entrar em contato com blogs, jornalistas e influenciadores e colocar em prática estratégias de link building, por exemplo, mas não está na nossa mão a decisão do site fazer uma referência ou menção ao nosso conteúdo. 

Já no pilar de Conteúdo, praticamente todo o processo está “na nossa mão”. O Controle é quase que 100% interno pois envolve um ciclo de estudo, produção, publicação e teste para ver se os conteúdos estão performando bem. 

E quase a mesma coisa acontece com o pilar de Tecnologia, em que temos um nível de Controle alto, porém não total, bastando implementar as recomendações técnicas e otimizar a estrutura do site de acordo com a melhor performance possível. 

Para deixar mais claro: em teoria, a Tecnologia está na nossa mão para fazermos as otimizações, mas em mais de uma década na área, estamos acostumados com diversas limitações em tecnologia, estrutura de produtos de mercado (por exemplo: plataformas de e-commerce) ou infraestrutura. Em consequência, na prática, esse controle não se torna total.

Deu para entender por que essa variável é tão importante? Ela serve, inclusive, para compreendermos as ações que podem gerar resultados mais rápidos e que dependem “apenas” de colocarmos a mão na massa o mais rápido possível. 

Vale a pena avaliar e refletir sobre essa variável dentro de uma estratégia.

Metodologia Lume e os pilares de SEO

Agora que já deu para entender um pouquinho o que são os três pilares de SEO e o que envolve cada um deles, vamos explicar como construímos projetos de SEO eficientes e que já resultaram em ótimos cases de sucesso, onde geramos aumento de tráfego orgânico, maior tempo de página e receita para diversos clientes, entre outros resultados.

A base para o sucesso dos nossos projetos junto aos parceiros é a melhoria contínua, ou seja, o famoso PDCA. Traduzindo, PDCA significa Plan (Planejar), Do (Fazer), Check (Verificar) e Act (Agir). E é exatamente assim que atuamos aqui na Lume.

O primeiro passo quando iniciamos um projeto é o planejamento. Começamos com uma análise preliminar, um diagnóstico, antes mesmo de trabalhar com os três pilares. É um overview sobre o cliente: buscamos entender o posicionamento dele no mercado, quais são os concorrentes e as suas características, as oportunidades, entre outros pontos. 

Esse diagnóstico se torna o “fio condutor” de toda a estratégia e irá nortear o projeto e as ações que serão adotadas. Assim, obtém-se um panorama geral do que deve ser executado e quais são os pontos de estratégia que merecem maior atenção.

Em um projeto de consultoria de SEO, por exemplo, é realizado o diagnóstico do site do cliente onde analisamos todos os aspectos dos três pilares. Assim, é possível identificar melhorias em todas as áreas do site e, consequentemente, obter melhores resultados. 

Após a primeira etapa de diagnóstico e planejamento, geralmente partimos para o pilar de Tecnologia. Isso porque, como mencionamos acima, ele tem uma maior dependência pois, caso exista algum problema técnico na página, não irá adiantar investir em conteúdo ou reputação, pois o site não terá a melhor performance.

Entregamos um material, chamado de "Guia de Tecnologia", onde trazemos uma série de recomendações técnicas a partir do diagnóstico, com orientações sobre quais melhorias precisam ser feitas na estrutura de um site para que ele esteja otimizado para os buscadores. 

Essa implementação tem todo o suporte dos nossos especialistas, em conjunto com os desenvolvedores e o setor de TI do cliente, entre outras áreas que sejam necessárias estarem envolvidas. 

Essa ação está totalmente alinhada com o nosso propósito de sermos parceiros dos nossos clientes, pois entramos na operação para detalhar essas implementações e encaminhar com cada responsável, tentando garantir que o projeto saia do papel no menor tempo possível, ao invés de simplesmente enviar um relatório gigantesco por e-mail. 

Vencida essa primeira parte, também trabalhamos com o pilar de Conteúdo. No diagnóstico inicial geralmente já conseguimos detectar as oportunidades, mas é nessa etapa que construímos, de fato, a Estratégia de Conteúdo do cliente.

Ou seja, é um estudo mais detalhado sobre palavra-chave, intenção de busca, canais de comunicação, comportamento dos usuários, identificação do público-alvo, principais “dores” dos clientes, pontos fortes e pontos fracos, visão geral do que os concorrentes estão fazendo, entre vários outros insights. 

Aqui, vale lembrar que um conteúdo otimizado para SEO é diferente de um conteúdo editorial ou de copywriting. O grande objetivo do conteúdo de SEO é resolver problemas dos usuários, esclarecer dúvidas ou atender às suas necessidades. 

Para isso, boa parte do esforço está na pesquisa, e não apenas na redação. Um bom uso semântico das tags HTML permite uma marcação mais rica do texto, ajudando os robôs a entenderem o seu contexto. 

Após a Estratégia de Conteúdo ser apresentada e aprovada pelo cliente, criamos um cronograma de pautas e partimos para a produção desses conteúdos. Hoje, temos um time de redatores especializados em SEO e que conseguem entregar conteúdos de acordo com a estratégia, intenção e objetivo de cada cliente.

O último pilar, de Reputação, é onde atuamos de maneira menos acentuada, devido ao baixo poder de controle que temos. O nosso trabalho neste caso é orientar o cliente com as oportunidades de parceria, limpeza de link profile, publieditoriais ou até um espaço em algum veículo de comunicação.

Relembrando: a reputação é fruto do relacionamento da marca com o seu mercado, e isso são ações do dia a dia, que podemos criar e orientar, mas dificilmente executar pelo cliente. 

Também temos outras etapas, como checklist, reuniões de acompanhamento e de alinhamento internas e junto ao cliente, homologações e relatórios de resultados.

Além disso, contamos com a fase de estudos. Ou seja, de acompanhar as oportunidades, atualizações do Google, novidades do mercado, novas sugestões de conteúdo e assuntos em alta, entre outros. 

Naturalmente, os nossos profissionais já possuem essa etapa nas suas rotinas, mas também criamos, internamente, um momento único para compartilhar as novidades e o conhecimento com todo o time, tanto com os squads de SEO, como de Analytics

É o Lume Talks, uma espécie de reunião para que um determinado profissional apresente detalhes de alguma atualização, oportunidade ou novidade do mercado.  

Para finalizar, com tudo isso, também é bem importante lembrar que SEO é um esforço a longo prazo e que os resultados não surgem de um dia para o outro. Além disso, uma consultoria não constrói resultados “sozinha” e precisa da atuação do cliente para atingir os objetivos desejados por uma marca.

Se você quiser saber mais sobre um projeto de SEO e como podemos identificar melhorias no seu e-commerce e aumentar os seus resultados, entre em contato com um de nossos consultores e vamos conversar! 


Veja também

crossmenu }